3 dezembro 2018

Área de interesse

Arquitetura 3D: o que é e como usar?

Original de Buildin
arquitetura 3D - Buildin 00
0

Você há de concordar que já não se fazem projetos de arquitetura como antigamente. Deixando qualquer saudosismo de lado, o que quero dizer é que a forma de apresentar o trabalho arquitetônico mudou. Agora é preciso entender o que é e como usar a arquitetura 3D!

Claro que muito dessa transformação se deve à democratização das ferramentas de projeto 3D. Afinal, elas surgiram para complementar plantas e croquis.

Além disso, mais do que uma forma de apresentação mais próxima do real, os projetos 3D podem trazer ganhos diversos.

Podemos destacar:

  • Soluções de projeto mais assertivas;
  • Resolução antecipada de problemas de compatibilização;
  • Menos retrabalho; e
  • Economia financeira.

Quer saber mais sobre a arquitetura 3D? Então, siga conosco!

O que é a arquitetura 3D?

Representações, plantas baixas, croquis e ilustrações que usualmente compõem os projetos arquitetônicos muitas vezes são de difícil compreensão para olhos leigos. Até mesmo engenheiros têm dificuldades de entender projetos em alguns casos.

Talvez isso explique a popularidade que os projetos 3D adquiriram desde que essa tecnologia tornou-se acessível. É possível, inclusive, usar programas gratuitos para auxiliar no processo de criação de arquitetura 3D.

Como maquetes eletrônicas, os projetos 3D agregaram maior realismo às representações e maior agilidade nas alterações de projeto.

O aumento da capacidade de processamento dos computadores tornou possível a renderização. Ou seja, a conversão de um 3D para uma representação em 2D. A finalidade é obter uma imagem estática ou a obtenção de imagens foto-realísticas em vídeo. Assim, isso ampliou ainda mais as possibilidades de uso.

Além das vantagens relacionadas à representação do projeto, as renderizações permitem o desenvolvimento de estudos técnicos. Assim, melhorando cada vez mais a qualidade dos projetos. Sabe como?

arquitetura 3D - insolação - Buildin 04É bastante fácil entender os benefícios ao analisar o caso da insolação. Na arquitetura 3D o projeto pode indicar a quantidade de luz natural presente no interior da construção. Assim, o modelo 3D permite adotar soluções mais adequadas quanto ao posicionamentos das aberturas e a introdução de dispositivos para anteparo de luz, como brises-soleil.

Logo, a arquitetura 3D permite ao arquiteto visualizar o que criou e editar rapidamente o que precisa ser adequado!

Vantagens da arquitetura 3D

  • Maior proximidade com a realidade e melhor visualização dos projetos;
  • Diminui a chance de haver erros, inclusive entre duas versões diferentes;
  • Facilidade de alteração no projeto;
  • Menos retrabalho, menos desperdício e, consequentemente, menos custos;
  • Maior facilidade e assertividade ao projetar interiores;
  • Permite realizar testes (iluminação, insolação, revestimentos, mobiliário etc);
  • Visualização de toda a obra em várias escalas e realizar tours virtuais;
  • Permite explorar soluções inovadoras e mais arrojadas;
  • Pode estar integrado a outras ferramentas. Assim, permitindo, por exemplo, quantificar o material a ser utilizado na construção de determinada estrutura.
arquitetura 3D - Buildin 03

Arquitetura 3D facilita o projeto de interiores

Arquitetura 3D ou BIM?

Você pode estar se perguntando, qual é a diferença entre projetos 3D e o tão falado BIM  (Building Information Modeling). Afinal, ambos têm como base a modelagem tridimensional de projetos, não é mesmo?

Mas as semelhanças ficam por aí e é necessário entender isso.

Enquanto o projeto 3D é um modelo simples, o BIM é um modelo complexo. Ou seja, que incorpora informações e dados para subsidiar o gerenciamento do projeto.

Em outras palavras, o BIM vai além de um modelo que somente representa o objetivo final em termos visuais e incorpora novas atribuições.

Por isso mesmo, em relação ao manuseio dos softwares, o BIM é extremamente mais avançado.

Em contrapartida, ele agrega vantagens! Exemplos são controle do projeto, acompanhamento de prazos, determinação de materiais, orçamentos a serem utilizados, entre outros.

Realidade aumentada

A experiência proporcionada pelos projetos tridimensionais pode ser ainda mais completa com a introdução da realidade aumentada.

Com dispositivos como óculos especiais, o usuário pode não apenas ver um projeto. Mais que isso, pode interagir com os objetos do cenário. Pode, inclusive, fazer simulações com opções variadas de revestimentos, mobiliário etc.

Um exemplo nesse sentido é a HoloLens, que permite ao profissional enxergar o projeto em 3D no ambiente de uma obra. Assim, facilitando a identificação de possíveis erros ou reparos a serem feitos.

A realidade virtual também vem sendo explorada para prover ao comprador de imóveis uma experiência mais imersiva. Ou seja, muito além da simples visualização de plantas.

Através da simulação em um ambiente virtual, o cliente pode se sentir dentro da habitação e até solicitar modificações na planta.

Há quem aposte, inclusive, que a realidade virtual na arquitetura irá aposentar as maquetes e apartamentos decorados. Afinal, estes levam muito tempo e custam muito para serem produzidos.

Conclusão

Esse conteúdo foi útil para você? Compartilhe sua opinião e impressões sobre esse tema conosco! Além disso, espalhe em suas redes sociais.

Antes de encerrar, gostaria de te deixar duas dicas de conteúdos que podem enriquecer a sua experiência.

O primeiro apresenta as cinco principais inovações que estão agitando a indústria da construção civil. O segundo explica como o BIM pode ser utilizado  nas estimativas do custo na fase de viabilidade

Não deixe de conferir e até a próxima!

Foto do Autor

Autor
Juliana Nakamura

Jornalista especializada no setor de construção civil, tem amplo conhecimento do mercado imobiliário e da engenharia civil. Sua experiência na cobertura de obras, debates e eventos do setor a torna um dos principais nomes do jornalismo especializado no Brasil!

Comentários