Uma senha sera enviada para seu e-mail

Se você atua no setor da construção civil com certeza já ouviu falar nas famosas construtechs, certo? Elas têm se tornado tão importantes para o setor que falar no assunto já virou rotina em reuniões e eventos da área. Veja neste post como essas startups podem mudar a construção.

A indústria da construção civil representa 6,2% do PIB do país. No entanto, apesar de sua importância para a economia nacional, o setor continua atrasado quando o assunto é adoção de novas tecnologias.

De acordo com uma pesquisa feita pela consultoria McKinsey nos Estados unidos, a construção civil é o segundo pior em relação à digitalização e inovação. O setor perde apenas para a agricultura e caça.

Apesar dos dados alarmantes, existem centenas de iniciativas que pretendem mudar este quadro. Segundo o Mapa do Ecossistema de Construtechs, concebido pela Construtech Ventures, atualmente são mais de 250 startups no Brasil em atuação criando um ambiente de disruptura no setor.

O objetivo das construtechs (startups da construção) é desenvolver soluções tecnológicas para diferentes etapas da cadeia de valor na construção civil. Desde a fase de planejamento, desenvolvimento do projeto e até mesmo no aluguel e venda dos empreendimentos.

Ainda que o setor seja conhecido pela sua fama de tradicional, cada vez mais construtoras e incorporadoras têm sentido a necessidade de se unir às startups para a melhoria dos negócios.

Inovações propostas pelas construtechs

Dentre as tecnologias utilizadas pelas construtechs, destacam-se, entre outras:

  • Tecnologia BIM na modelagem de projetos
  • Impressão 3D
  • Bioconcreto
  • Internet da Coisas (IoT)
  • Realidade virtual
  • Drones

Um exemplo conhecido que utiliza a impressão tridimensional como ferramenta para construção de moradias é a Urban 3D. Fundada pela paulistana Anielle Guedes, de 25 anos, o propósito da startup é construir imóveis em 3D e fazer isso de maneira ágil, menos custosa e sustentável.

Já no caso da realidade virtual, por exemplo, a brasileira iTeleport se propõe a aprimorar o ciclo de vendas e a eficácia do marketing aumentando a atratividade das propriedades por meio de visitação completa e online.

Outra proposta inovadora é o caso da ZeroDistrato. A construtech trabalha com um algoritmo que utiliza inteligência artificial para que construtoras e incorporadoras consigam prever o risco de distrato em seus contratos com até 1 ano de antecedência.

Os CEOs da Urban 3D, iTeleport e ZeroDistrato estiveram presentes no Construtalk, evento itinerante organizado pelo Buildin que aconteceu em 24 de abril de 2018, em Belo Horizonte.

Pesquisa Buildin

Diante de um cenário tão promissor para a construção civil, nós do Buildin queremos entender como empresas tradicionais do setor têm atuado em parceria com startups para operar com mais eficiência e sustentabilidade.

Por isso, precisamos da sua ajuda!

Responda à pesquisa e colabore com o futuro da construção civil. Você levará, no máximo, 3 minutinhos!

Participe e ganhe prêmios!

QUERO RESPONDER À PESQUISA E COLABORAR COM O FUTURO DA CONSTRUÇÃO CIVIL.

Saiba mais sobre construtechs no vídeo com o CEO do Construtech Ventures, Bruno Loreto: