Uma senha sera enviada para seu e-mail

Maquetes são peças cada vez mais importantes para a comercialização de empreendimentos imobiliários, certo? Mas você sabe como fazer uma maquete? E uma maquete eletrônica?

Maquetes convencionais, dependendo de como são feitas e do objeto retratado, podem, inclusive, adquirir o status de obras de arte.

Nos últimos anos, o desenvolvimento de novas soluções tecnológicas tem impulsionado o uso dos modelos virtuais. As maquetes eletrônicas são uma alternativa mais econômica às maquetes físicas.

Falamos sobre isso no post “Maquete: o que é e para que serve?”.

É claro que falamos sobre maquetes profissionais, daquele tipo que pode ser usada para fins comerciais de divulgação de um empreendimento imobiliário.

Existe, ainda, a maquete escolar amadora. Estas maquetes podem ser feitas com papel cartão, folha de isopor, madeira, caixas de papelão, papel crepom, dentre outros materiais.

Há, inclusive, dicas de como fazer modelos de maquetes ainda mais rudimentares. Estamos falando daquelas feitas com palitos de picolé e das recomendações para que se use papel e pinte com tinta guache.

Mas se você quer saber como fazer uma maquete eletrônica recomendo que leia este texto. Afinal, aprofundaremos a discussão sobre os softwares mais utilizados para a produção desse modelo eletrônico que agora é tendência ao construir uma maquete. A chamada maquete eletrônica.

Quer saber mais sobre como fazer maquete de casas, edifícios ou obras em geral?

Softwares para a produção de maquete eletrônica

Se você fizer uma busca rápida pela internet verá que há uma série de soluções que auxiliam em como fazer uma maquete eletrônica.

Elas podem ser classificadas em três grupos, em especial:

  1. Softwares para criação de modelos 3D. Exemplos: Archicad, Revit, SketchUp etc.
  2. Programas de animação e renderização como Lumion 3D, Maya, Kerkythea etc.
  3. Ferramentas para finalização: Photoshop, Premiere, FinalCut, entre outros.

Agora você pode estar se perguntando: Diante de tantas alternativas, qual escolher?

Antes de iniciar o desenvolvimento de maquetes eletrônicas é preciso selecionar os programas mais adequados para essa tarefa. Podemos dizer que essa é a base da maquete.

Nesse momento é necessário verificar qual é o nível de detalhe e a expectativa quanto ao resultado final esperado para a maquete eletrônica em questão.

Além disso, é necessário, também, definir a finalidade da maquete eletrônica. Ou seja, ela deverá gerar animação? Ou será usada em folders? É preciso definir, ainda, se incluirá recursos interativos.

Outra dica importante sobre como fazer maquete. Ao escolher um software para a produção de maquetes eletrônicas, leve em conta a facilidade de aprendizado, o custo de licença e os recursos oferecidos.

De modo geral, os profissionais trabalham com mais de um software (com recursos complementares) para a produção de maquetes eletrônicas.

Conheça a seguir mais detalhes sobre as ferramentas para produção de maquetes eletrônicas mais populares no mercado:

SketchUp

Dedicado à produção de modelagens em 3D, o SketchUp faz parte da rotina da maioria dos escritórios de arquitetura. Você sabe por qual motivo?

Esse software permite criar, mudar e compartilhar maquetes em 3D aplicando cores, sombras e diversos outros efeitos de iluminação.

Um ponto forte é ele ser oferecido em diferentes versões, da gratuita (mais simples) à paga, que permite, entre outros recursos, compactar o arquivo em AutoCad e Adobe Illustrator.

O programa geralmente é utilizado junto com renderizadores para tornar as imagens ainda mais fotográficas.

No vídeo abaixo você pode conferir um tutorial para a criação de uma maquete com o SketchUp. Não deixe de conferir!

3ds Max

Outro software com presença importante nos escritórios de arquitetura é o 3ds MAX. Esse programa é capaz de gerar imagens bastante realistas e é relativamente fácil de manipular.

Fornecido sob licença paga, o 3ds Max traz algumas possibilidades. Dentre elas, como fazer uma maquete eletrônica em 3D e incorporar recursos sofisticados de texturas e efeitos de luz.

O software é compatível com a maioria dos renderizadores, criando visuais impressionantes.

Quer saber mais sobre as diferenças entre o SketchUp e o 3ds Max? Então veja neste vídeo um comparativo bem objetivo entre as duas ferramentas.

Blender

Em um artigo sobre os programas mais populares para a criação de maquetes digitais, não podemos deixar de citar o Blender.

Indicado para profissionais mais experientes por causa da alta complexidade de uso, esse software tem como principal virtude o seu código aberto e ser gratuito.

Mas não é só isso. Além de fazer modelagens de desenhos em 3D, ele também realiza a renderização de imagens, animações 3D e games. Ou seja, é bastante completo.

No vídeo a seguir você pode conferir um tutorial sobre como desenvolver uma maquete eletrônica com o Blender.

Revit

Maquetes eletrônicas também podem ser elaboradas com o Revit, o famoso software BIM para arquitetura, urbanismo, engenharia e design.

O programa de modelagem 3D possui várias ferramentas para criar a renderização do modelo com um bom nível de qualidade. No entanto, pode exigir a inclusão de plantas e objetos para humanizar e melhorar as vistas internas e externas.

Além disso, em função da necessidade, o Revit pode ser combinado a outro software de renderização. Alguns exemplos nesse sentido são o Lumion 3D, sobre o qual falarei a seguir, e o Artlantis.

Ferramentas complementares para maquetes eletrônicas

Maquetes virtuais demandam um grau de realismo mínimo para que possam ser compreendidas pelo público leigo.

Para chegar a esse resultado, é preciso lançar mão de uma série de ferramentas extras. Estas, quando usadas em complementação aos programas de modelagem, produzem resultados excelentes.

Um deles é o Lumion 3D. Esse plugin permite texturizar, iluminar e inserir objetos (mobiliário, vegetação, carros, pessoas etc.), entre outros recursos avançados.

Trata-se de uma solução para finalização dos projetos que permite, além da criação de imagens, produzir vídeos.

Importante: o Lumion 3D possui suporte a importação de modelos de vários outros programas como SketchUp, Revit e o 3ds MAX.

Outra solução acessível e completa é o V-Ray. Este renderizador transforma modelos tridimensionais em imagens mais realistas.

O V-Ray é especialmente indicado para trabalhar com recursos de iluminação e é capaz de dar realismo à retração de objetos como vidros e espelhos. Assim como o Lumion 3D, o V-Ray também pode ser utilizado com SketchUp, 3ds Max, Blender, Revit, entre outros programas,

Nesse vídeo você pode conferir três animações interessantes desenvolvidas no SketchUp e que foram renderizadas no V-Ray e no Lumion.

Outro renderizador que vale ser citado é o Kerkythea, na maior parte das vezes utilizado em combinação ao SketchUp.

De interface simples e com licença gratuita, essa ferramenta é capaz de gerar imagens realistas, especialmente por conta de seus recursos para controlar os efeitos de luz.

Comentários finais sobre como fazer uma maquete 3D

Nos dias de hoje, há uma série de motivos que justificam o investimento na produção de maquetes eletrônicas.

O principal é permitir uma visualização prévia real dos projetos antes mesmo da sua execução. As maquetes se transformaram em valiosos instrumentos de venda imobiliária, ao permitir ao cliente final entender mais claramente aquilo que ele está analisando.

No post de hoje você pode perceber que a tecnologia está em franco desenvolvimento para viabilizar maquetes cada vez mais perfeitas, com representações muito próximas das fotografias.

Você há de concordar que opções de softwares e plug-ins não faltam. Mas isso não quer dizer que produzir maquetes eletrônicas seja tarefa fácil. Muito pelo contrário.

Este é um trabalho que toma tempo e exige muita especialização. Por isso, não à toa é crescente o número de escritórios dedicados a produzir exclusivamente modelos virtuais.

Aliás, se você está interessado nesse mercado, recomendo que veja esse vídeo com dicas para os arquitetos que querem trabalhar com modelagem de maquete eletrônica e renderização.

Antes de encerrar esse artigo, gostaria de indicar os seguintes conteúdos elaborados pelo Buildin e você certamente irá apreciar:

Então conte para a gente se este conteúdo foi útil para você? Se curtiu, compartilhe em suas redes sociais!

Ah, e não deixe de compartilhar suas impressões conosco no espaço de comentários. Por isso, esteja sempre à vontade para sugerir temas e tópicos para serem abordados em posts futuros.