Uma senha sera enviada para seu e-mail

Os desejos, expectativas e exigências dos consumidores em relação à habitação mudaram drasticamente. Essa é a percepção do professor de Design Ambiental da Universidade de Melbourne, na Austrália, e fundador e coordenador da Rede ZEMCH, Masa Noguchi. Foi sobre isso que ele falou em sua palestra no Construsummit 2018.

Ele conta que na década de 1950, após a Segunda Guerra Mundial, as famílias nucleares demandavam uma habitação homogênea. Atualmente, com o estabelecimento de diversas formações familiares, as habitações adquiram um maior nível de especificidade.

Masa 02 - Construsummit 2018 - rede Zemch - casas modulares

Ao mesmo tempo, a questão ecológica ganhou importância elevada. Por isso, conforme Noguchi, as construções do futuro precisam ser mais sustentáveis ambientalmente. Com essa forte preocupação surgiu, em 2010, a Rede ZEMCH (Zero Mass Custom Home). A entidade visa transferir conhecimento entre indústria e academia baseado no desenvolvimento de uma comunidade habitacional social, econômica e ambientalmente sustentável em países desenvolvidos e em desenvolvimento. Atualmente a rede conta com 724 parceiros, em 45 nações.

Japão como inspiração à Rede ZEMCH

De acordo com Noguchi, o Japão é o país mais avançado em termos de tecnologia ZEMCH. Dessa maneira, antes do estabelecimento da rede, diversas visitas – as chamadas Missões ao Japão – foram realizadas ao país asiático por profissionais de engenharia civil, acadêmicos e da indústria. O objetivo era observar instalações e vendas de última geração dos principais fabricantes de habitações sustentáveis de zero energia ou baixa emissão de CO2.

Noguchi conta que, nestas missões, os visitantes puderam conhecer habitações cuja energia é gerada por placas fotovoltaicas. Isso possibilita aos moradores economia de energia e geração de renda. Além disso, habitações com telhado verde atraem insetos locais, absorvem CO2 e emitem oxigênio. Casas com sistemas de gerenciamento de energia (HEMS) permitem a conversão dos KWh em valor monetário ao cliente.

“As experiências geram um impacto enorme na produção de casas no mundo todo”, diz Noguchi. Ele destaca empresas do Canadá e da França, que, a partir da Missão Japão, começaram a construir habitações com baixo custo energético.
No Brasil, Noguchi salienta a parceria entre a Universidade Estadual de Londrina (UEL) e a Tecverde no sentido de provar a aplicabilidade desse tipo de tecnologia na construção brasileira.

Demanda em mutação

Um ponto muito caro ao fundador e coordenador da Rede ZEMCH é a demanda atual por casas com preço acessíveis. Ainda assim, com características específicas definidas por eles.

Nesse sentido, um desafio se coloca: como aliar a padronização com a customização? Afinal, quanto mais alto é o nível de um menor o nível da outra. Para isso, algumas empresas do ramo de habitação no mundo revisitaram o conceito de massa e de construção de casas modulares. “Agora não é a casa como um todo que é padronizada, mas seus componentes. O telhado, a janela e a sacada são repetidos, mas combinados de modos distintos ajudam a customizar o produto final”, explica o fundador e coordenador da Rede ZEMCH.

Masa 02 - Construsummit 2018 - rede Zemch - casas modulares

Construsummit 2019

E aí, gostou deste conteúdo?

Se você não foi ao Construsummit 2018 perdeu a oportunidade de ver isso (e muito mais) ser discutido ao vivo!

Se você foi, sabe do que estou falando!

Certamente você não quer deixar de participar da próxima edição do principal evento sobre inovação e tecnologia na construção!

Nos informe seus dados que te garanto que você estará entre os primeiros a saber sobre o Construsummit 2019 e outros eventos promovidos pelo Buildin!

P.S.: Os primeiros ingressos têm descontos de até 60%! Você não quer perder, não é mesmo?