Uma senha sera enviada para seu e-mail

É verdade que o uso da energia solar na construção civil no Brasil ainda é bastante incipiente. No entanto, cada vez mais, essa fonte se destaca como opção limpa e renovável.

Isso ficou claro durante a 4ª edição do Construtalk, em Florianópolis. O evento sobre inovação e tecnologia na construção aconteceu em setembro de 2018.

Na ocasião, Andrigo Filippo Antoniolli, apresentou um panorama do uso de energias renováveis no setor da construção civil.

Antoniolli é pesquisador e doutorando do Grupo de Pesquisa Estratégica em Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Estima-se que em 2030, um décimo da energia elétrica consumida no Brasil será fotovoltaica.

Construção civil é grande consumidora de energia

Você sabia que a construção civil responde por mais de 50% do consumo de energia elétrica nacional? Os dados informados estão disponíveis no Anuário de Energia Elétrica da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), de 2017.

Resultado de imagem para paineis fotovoltaicos

Assim, de acordo com o relatório, desde a fase de projeto e também durante a vida útil da edificação, os gastos com energia são enormes. Dessa maneira, é urgente fazer investimentos em fontes de energia limpa. Afinal, também fazem parte de uma estratégia completa de busca por redução de custos.

Como podemos ver, o contexto energético mostra que geradores convencionais de energia apresentam maiores gastos com operação, manutenção e infraestrutura de transmissão. Isso sem contar o impacto mais intenso sobre o meio ambiente. Este ocorre mesmo quando a matriz energética é baseada em usinas hidrelétricas, como é o caso de países como o Brasil.

Em contrapartida, a depender do projeto, um gerador fotovoltaico pode totalmente ser integrado à edificação. Além disso, a energia solar é limpa e conta com geração de energia distribuída junto ao ponto de consumo. Dessa maneira, dispensa as longas linhas de transmissão necessárias quando a geração se dá longe do ponto de consumo.

O sistema de energia solar fotovoltaica é baseado na conversão direta da luz em eletricidade, o chamado efeito fotovoltaico.

Veja como funciona a sensibilidade à luz no gráfico abaixo:

energia solar na construção civil - energia fotovoltaica

Energia solar na construção civil

Como ponto positivo à tendência, o Brasil ostenta um dos maiores potenciais de geração de energia fotovoltaica do mundo, próximo a 28 mil gigawatts. Na prática, isso significa mais de 200 vezes toda a potência da rede elétrica atual. Os dados informados nesse texto são da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Logo, em comparação a muitos países europeus, o Brasil possui uma boa uniformidade de irradiação diária de sol.

Afinal, é alta a incidência de sol  em todo o território brasileiro (4,25 kWh/m² a 6,30 kWh/m²), mesmo em grandes centros, o que é excelente para que esse tipo de tecnologia se desenvolva e seja possível usar cada vez mais energia solar na construção civil.

low angle photography of cranes on top of building - enrgia solar na construção civil

Além disso, há uma série de aplicações de energia solar na construção civil que podem ser desenvolvidas e exploradas para reduzir os custos e os impactos da demanda por eletricidade no setor.

E uma boa notícia é que elas podem se dar, inclusive, em muitas das edificações já existentes.

Isso porque os sistemas aplicados BAPV (Building applied PV system) podem ser aplicados sobre a estrutura de uma edificação já existente.

Já os sistemas integrados BIPV (Building integrated PV system) podem substituir um material de vedação. Ou seja, é possível que sejam usados como elemento construtivo na edificação. Isso pode ser economicamente mais atrativo, pois o material fará parte do envelope construtivo. Assim, em casos como esses, a energia solar na construção civil entra com os painéis fotovoltaicos substituindo, por exemplo, telhas ou até mesmo os elementos de uma fachada ventilada.

energia solar na construção civil - energia fotovoltaica

Como funcionam as edificações de Energia Positiva

Muito mais do que apenas ajudar a reduzir a dependência da rede elétrica da concessionária, a energia solar na construção civil pode permitir sonhar mais alto.

Afinal, quando a integração fotovoltaica é possível de ser feita numa edificação, com uso de energia solar na construção civil, pode-se pensar em Edifícios de Energia Zero (Zero Energy Building).

Dessa maneira, num caso como esses, a conta final ficaria dessa maneira:

ENERGIA GERADA – ENERGIA CONSUMIDA = ZERO (base anual)

Nesse caso, o edifício seria totalmente sustentável e não demandaria energia elétrica da rede da concessionária. Com isso, o custo com energia elétrica na edificação seria igual a zero.

Mas a situação de um edifício concebido desde o início para a plena utilização de energia solar na construção civil pode ser ainda melhor.

Isso porque se o balanço anual for maior que zero, a edificação passa a ser um Energy-plus Building (Edificação de Energia Positiva). Isso significa que o uso de energia solar na construção civil, num caso como esse, permitiria à edificação se sustentar completamente. Mais do que isso, fornecer eletricidade para a rede.

Na prática, isso significa que a edificação pode vir a vender o excesso de energia produzida. Dessa maneira, o uso de energia solar na construção civil seria uma fonte de receita para a edificação.

No entanto, essa prática ainda depende de muitas negociações e regularização jurídica junto às concessionárias fornecedoras de energia elétrica.

O case do Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da UFSC

O Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da UFSC, em Florianópolis, é um desses exemplos. Ou seja, é uma Edificação de Energia Positiva e, portanto, um excelente case de uso de energia solar na construção civil.

Inclusive, não apenas na edificação a energia solar é benéfica. O ônibus que faz o translado entre o Laboratório e o Campus da UFSC é movido com a energia solar gerada na edificação.

Potencial de geração de energia solar na construção civil

De acordo com estimativas, a energia solar poderá responder por até 11% da oferta mundial de energia elétrica em 2050. OU seja, cerca de 5 mil TWh. Quem aposta nisso é a Agência Internacional de Energia (IEA).

Para gerar essa energia com a tecnologia atual seria necessário cobrir com painéis fotovoltaicos uma área de 8 mil km². Isso equivale a aproximadamente a área da Região Metropolitana de São Paulo.

De qualquer maneira, o uso de energia solar na construção civil está cada vez mais no radar. Especialmente de arquitetos responsáveis por construções certificadas.

Energia solar na construção civil – Conclusões

Como pudemos observar ao longo desse texto, é cada vez mais possível e viável pensar a construção como um todo com um olhar sustentável. E, nesse contexto, as energias renováveis são apenas mais uma forma de se desenvolver o setor de construção civil.

Para um entendimento mais completo da questão do uso da energia solar na construção civil, confira o vídeo abaixo. Nele, o Andrigo fala sobre:

  • Quais os principais benefícios do uso de energias renováveis na construção?

E então, esse post sobre uso de energia solar na construção civil foi esclarecedor para você?

Assim, se você curtiu, comente aqui embaixo o que pensa sobre o assunto. Além disso, compartilhe o artigo nas suas redes sociais e contribua ainda mais para o debate sobre esse importante tema!

Ah, você quer ampliar muito mais sua visão sobre esse tema? Então leia também “Como aplicar sustentabilidade na construção civil”. Outro conteúdo interessante é “Cinco cases de aplicação de sustentabilidade na construção“. Saiba que sustentabilidade é, cada vez mais, uma das tendências na construção civil.

Até a próxima!