Uma senha sera enviada para seu e-mail

Tomei a liberdade de traduzir e adaptar a introdução do relatório do Fórum Econômico Mundial de 2016, “Shaping the Future of Construction. A Breakthrough in Mindset and Technology”, preparado em colaboração com o Boston Consulting Group.

Trata-se de documento da mais alta relevância para entender onde o setor da construção está hoje (tenho escrito bastante sobre isso). Além disso, quais são as transformações que precisamos fazer para a transformação da indústria da construção buscando a sua modernização e industrialização. Sempre para reduzir significativamente a sua defasagem, em termos de produtividade, em relação aos setores mais avançados da indústria.

Este relatório destaca que a população mundial nas áreas urbanas está aumentando cerca de 200 mil pessoas por dia. Todas estas pessoas precisam de habitação, bem como de infraestrutura social, transporte, saúde, educação e serviços públicos.

Frente a tais desafios, a indústria da construção tem a obrigação moral e econômica de promover uma ampla transformação. Isso pela redução de custos de construção e do impacto sobre o meio ambiente, otimizando a utilização de materiais escassos e tornando os edifícios mais ecoeficientes. Ou seja, estreitando a lacuna da infraestrutura global e impulsionando o desenvolvimento em geral.

Construção vs. demais setores

A maioria dos demais setores industriais sofreu grandes mudanças nas últimas décadas, colhendo os benefícios das inovações em processos e produtos. O setor de Engenharia e Construção, por sua vez, tem hesitado em abraçar as últimas oportunidades tecnológicas. Sua produtividade está estagnada, pressionando para baixo o índice de produtividade global da indústria.

Este vergonhoso histórico para o setor construção pode ser atribuído a vários fatores:

  • Grande fragmentação da indústria,
  • Baixo nível de integração e colaboração entre os agentes da cadeia de valor,
  • Dificuldades para a contratação, capacitação e retenção de mão de obra direta e de gestores, sobretudo em momentos de maior nível de atividade,
  • Baixa atratividade para recrutar talentos no âmbito da liderança estratégica das organizações (sobretudo provenientes de setores mais desenvolvidos),
  • Transferência insuficiente de conhecimento de projeto para projeto, dentre outros.

Insights do relatório

O relatório identifica as melhores práticas e fornece estudos de caso ilustrativos de abordagens inovadoras, para preparar a transformação da indústria da construção. As áreas de abrangência são:

  1. Tecnologia, materiais e ferramentas
  2. Processos e operações
  3. Estratégia e inovação do modelo de negócio
  4. Pessoas, organização e cultura
  5. Colaboração da indústria
  6. Marketing institucional setorial (compartilhado)
  7. Regulamentação e políticas
  8. Aquisições e licitações públicas

O projeto Futuro da Construção do Fórum Econômico Mundial é um esforço destinado a apoiar o setor de Engenharia e Construção. Afinal, persegue a sua transformação. A colaboração é, ou deveria ser, uma marca da indústria da construção.

Dessa maneira, o sucesso futuro da indústria dependerá da colaboração efetiva entre todos os stakeholders. Assim, o projeto foi planejado como um esforço multi-anual. Então, em seu primeiro ano, o projeto está começando com o relatório. Ou seja, um mapa detalhado para nos ajudar a navegar através da transformação do setor.

Posteriormente, o projeto se concentrará em tópicos específicos. Por exemplo, de que forma as novas tecnologias, materiais e processos melhorarão a entrega dos projetos. Ou, então, como impactarão o desempenho do ciclo de vida dos edifícios. Como selecionar e adotar diretrizes referentes ao quadro de transformação da indústria da construção.

Assim, este relatório recebeu a contribuição de muitas empresas da cadeia de valor da construção:

  • Fornecedores de materiais de construção, produtos químicos, equipamentos
  • Empreiteiros e empresas de engenharia, arquitetura e planejamento
  • Proprietários de projetos e empresas do setor de real estate,
  • Acadêmicos
  • Líderes de governo
  • Membros da sociedade civil
  • Organizações industriais.

Leia este documento na íntegra.