Uma senha sera enviada para seu e-mail

Tão importante quanto entender técnicas, termos e cálculos, é conhecer as personalidades da engenharia, como Milton Vargas.

Se você deseja se tornar um profissional da indústria da construção ou já é formado e quer saber mais sobre os homens e mulheres importantes do meio, deve estudar mais esses nomes.

Neste artigo, você vai conhecer Milton Vargas, engenheiro civil e eletricista, com especialização em mecânica de solos.

Milton Vargas

Vargas nasceu em Niterói (RJ), em 17 de fevereiro de 1914 e faleceu aos 97 anos em São Paulo (SP), no dia 12 de maio de 2011.

Com quase um século de vida, dedicou-se à profissão da engenharia e foi um dos primeiros homens a destinar seu tempo ao estudo do solo brasileiro. Vargas, por sinal, era apaixonado pelo tema.

Desde pequeno, teve contato com o que viria ser a sua profissão futuramente. Seu pai era médico e atuava em canteiros de obras da Light, distribuidora de energia. O pai era especialista em profilaxia da malária e morou em diversos acampamentos de obra junto da família.

Foi essa proximidade que fez com que Vargas passasse a se interessar pelo assunto e fosse considerado como uma das personalidades da engenharia mais influentes.

Educação e Carreira

Estudou Engenharia Elétrica (1938) e Engenharia Civil (1941), ambos os cursos realizados na Escola Politécnica da USP.

Vargas teve a oportunidade de trabalhar na mesma empresa onde atuava o pai. No entanto, decidiu permanecer no Departamento de Mecânica dos Solos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, onde já estava desde a sua graduação em Engenharia Elétrica, em 1938.

Lá, a sua primeira função foi de aluno-assistente. Depois, foi engenheiro auxiliar e chegou a ser chefe de departamento, até 1952. No IPT, fez importantes contribuições para a disciplina de mecânica dos solos.

Ainda em 1952, tornou-se professor Catedrático da Escola Politécnica da USP, lecionando Mecânica dos Solos e Fundações.

Milton Vargas foi um dos primeiros professores a ensinar sobre esse tema. E, também por isso, tornou-se um engenheiro de nome tão importante para o setor.

Tempos depois, Vargas passou a lecionar no curso de pós-graduação em Metodologia da Pesquisa Tecnológica, da Politécnica.

Atuou como professor durante 14 anos, de 1970 a 1984. E em 1988, recebeu o título de professor emérito.

Estudo no exterior

Poucos anos após terminar sua graduação em Engenharia Civil, Vargas foi aos Estados Unidos para estudar na Universidade de Harvard.

Em 1946, ele decidiu ir ao exterior fazer uma especialização pela Graduate School of Applied Sciences. Estava motivado a obter mais a fundo técnicas e conhecimentos no lugar onde mais poderia se dedicar ao estudo de mecânica dos solos na época.

Em Harvard, ele se aproximou dos professores austríacos Karl Von Terzaghi e Arthur Casagrande. Estes professores também participaram junto dele de projetos de engenharia no Brasil.

Fundação Themag

Em 1961, Milton Vargas deu início, com outros quatro profissionais, à empresa Themag Engenharia, na cidade de São Paulo.

A Themag é uma das empresas brasileiras mais conceituadas em engenharia consultiva. Atua, sobretudo, na área de geração e distribuição de energia elétrica.

Como diretor, Vargas ajudou a fazer o planejamento de projetos de usinas hidrelétricas como a de Tucuruí, Jupiá, Paulo Afonso, Ilha Solteira e Itaipu.

O engenheiro também atuou nas obras do metrô da capital paulista, na rodovia dos Imigrantes, no Edifício Altino Arantes (Prédio do Banespa) e no projeto de criação do aeroporto de Brasília.

Além da criação da Themag, o engenheiro foi o primeiro presidente da Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica (ABMS), que reúne os profissionais que trabalham na área.

Vargas (à frente) nas obras de construção do Metrô de São Paulo, em 1982

Vargas (à frente) nas obras de construção do Metrô de São Paulo, em 1982. Acervo: IPT

Muito além da engenharia

Ainda que preferisse evidenciar seu título de engenheiro, Milton Vargas não se resumia apenas a isso. Dentre suas paixões estavam também a Filosofia e a Literatura, unindo as ciências exatas das humanas.

Como professor da Politécnica da USP, ensinou Humanidades aos estudantes de engenharia e escreveu artigos e livros relacionados à filosofia e à tecnologia. O feito lhe fez garantir uma cadeira na Academia Paulista de Letras.

Escreveu cerca de 140 artigos, ganhou nove prêmios e deixou dezenas de obras publicadas. Muitas dessas obras tornaram-se referência para o estudo do solo do Brasil.

Entre seus prêmios mais importantes estão:

  • Prêmio Jabuti, com a obra Introdução à Mecânica dos Solos, em 1978
  • Título de engenheiro do ano, em 1988, pelo Instituto de Engenharia de São Paulo
  • Prêmio IBM de tecnologia, em 1989

Personalidade da engenharia

Milton Vargas protagonizou boa parte da história do estudo da geotecnia no Brasil, existente há quase sete décadas. É visto por muitos engenheiros como o pai da geotecnia. Por isso, é hoje uma das mais relevantes personalidades da engenharia no país.

Vargas já faleceu, mas deixou suas obras como legado. Além disso, tornou-se nome de prêmio e de avenida em São Paulo, uma homenagem a quem tanto contribuiu para a engenharia.

Como lema de vida, o engenheiro citava o provérbio chinês: “a sabedoria vem das mãos”.

Certamente, se você tem interesse em ser um grande engenheiro, deve levar na bagagem nomes de personalidades da engenharia como o de Milton Vargas. Principalmente se você quer se aprofundar no estudo de mecânica dos solos brasileiros, tema da maioria de suas obras.

Gostou? Quer aprender mais sobre engenharia civil? Então, veja este material completo sobre o tema!