5 setembro 2017

Especialistas

Erro 1 nos Orçamentos de Obra – Deixar de fazer visita técnica ao local da obra

Original de Buildin
0

Dando início a nossa Série: Os 10 Erros mais Comuns nos Orçamentos de Obra destacarei a cada semana um erro que tenho visto nas empresas em que trabalho e onde faço consultoria. Começarei por um erro bem simples: não fazer visita técnica ao local da obra.

A fim de contextualizar melhor o problema, mostro na figura abaixo o roteiro básico das etapas do orçamento de uma obra típica. Os marcadores vermelhos mostram onde se localizam cada um dos 10 Erros que vou abordar. (Está curioso?)

Erro 1: Não fazer Visita Técnica

O primeiramente erro é deixar de fazer visita técnica ao local da obra. Talvez não seja o erro mais comum ou mais relevante da série, mas cronologicamente no orçamento de uma obra é o que ocorre mais cedo.

Este é um erro típico de quem tem pressa (ou preguiça…). O fato é que muito orçamentista, por premência de fechar o orçamento da obra ou por restrição de recursos ou por dificuldades de se deslocar até o local onde será executada a obra, deixa de realizar a visita técnica de campo preliminar.

O objetivo dessa visita técnica é olhar o local da obra sob o ponto de vista técnico e logístico. Durante a visita o importante é mapear o tipo de solo e de vegetação, as características dos terrenos adjacentes, as rotas de acesso, as dificuldades de suprimento de mão de obra e material daquela praça, entre outras coisas. Um profissional experiente aproveita a visita também para uma salutar “espionagem”: buscar soluções técnicas (de fundações, por exemplo) adotadas em obras próximas.

Eu percebo, e o leitor há de me dar razão, que o problema de visita técnica ao local da obra é mais acentuado entre as empresas que participam de obras públicas do que entre aquelas do setor imobiliário, mas o problema pode assolar todo mundo.

No caso de uma empresa habituada a participar de licitações, muitas vezes acontece de se comprar o edital e logo começar o orçamento através da consulta a tabelas de preços e bancos de dados. O projeto que vem no edital, por melhor e mais detalhado que seja, certamente não contém alguns aspectos importantes, como, o tipo de pavimento dos acessos ao local da obra, sobre a capacidade do mercado local de fornecer mão de obra e materiais, etc.

Já imaginou você fazer o orçamento de uma obra só olhando para os desenhos do projeto e se deparar com este acesso?

Imagine agora que a obra é uma adutora que atravessa vários municípios e cruza regiões de vegetação de diferentes densidades. De onde virá a brita? Onde serão alojados os trabalhadores? Há surgência de água em algum ponto do terreno? O terreno está invadido? Existem edificações a demolir (além das que eventualmente estejam mapeadas no projeto)?

Planilha de Visita de Campo

Completa e fácil de usar, desenvolvida pelo Aldo Dórea Mattos para você.

Clique aqui para baixar o arquivo

Foto do Autor

Autor
Aldo Dórea Mattos

Uma das maiores autoridades brasileiras em Planejamento, Orçamento e Controle de Obras é um especialista Buildin. Neste espaço ele compartilha sua experiência como engenheiro e advogado ao abordar temas como engenharias de custos, planejamento, estimativas, cronograma, validação de custos, gestão de contratos, arbitragem, gerenciamento de risco, litígios e muito mais!

Comentários